Biografia

Ainda na infância, Márcio organizava, em casa, para os familiares, peças teatrais, shows musicais e exposições de arte. Era fácil supor aonde levaria toda aquela criatividade. Aos treze anos, no então ginásio, do Colégio São Fernando, começou a ter aulas de teatro com a atriz Louise Cardoso.

Márcio Trigo

De lá foi para o Tablado e passou a ter aulas com Carlos Wilson, O Damião, com a própria Louise, e com a grande mestra Maria Clara Machado, que o chamou para a sua primeira peça profissional Camaleão e as Batatas Mágicas, com texto e direção de Clara, no Teatro Municipal de Niterói. Em seguida foi chamado para, junto com Miguel Falabella e Maria Padilha, atuar na peça O Rapto das Cebolinhas, com direção de José Lavigne. Com amigos do Tablado, criou o grupo Manhas & Manias, e fez as peças Diante do Infinito, Manhas e Manias (Prêmio SNT de melhor peça infantil de 1980) e Brincando com Fogo, (Prêmio SNT e Mambembe de melhor peça infantil, e na categoria especial, de 1981). Do grupo faziam parte, além de Mario Costa e José Lavigne, Chico Diaz, Claudio Baltar, Andrea Beltrão, Débora Bloch e Pedro Cardoso. Em 1982, com o Manhas e Manias, ajudou a criar o Circo Voador (assista ao trailer do filme A Farra do Circo de 2014) movimento que mudou os rumos da cultura brasileira. Ainda em 82, mudou-se para São Paulo e organizou, com o grupo, a oficina teatral do Sesc-Pompéia. Com os alunos, montou Zíper Aberto, criação coletiva e O Dragão, de Eugène Schwartz, onde, junto com Mário Costa, fez as músicas e a direção musical. Com o Manhas e Manias, montou o Show Manhas e Manias, Variedades para Quase Todas as Idades (Prêmio APCA de melhor peça de 1982).

De volta ao Rio, montou, com o Manhas e Manias, a peça Recordações do Futuro. Fez as músicas e direção musical das peças Vida de Cachorro, de Flávio de Souza, com direção de José Lavigne, e Sapomorfose, de Cora Rónai, com direção de Antônio Grassi, e escreveu, dirigiu e fez as músicas, junto com Mário Costa, da Ópera-rock Idade Mídia. Em 1985, de novo no Tablado, atuou, fez as músicas e direção musical da peça Aprendiz de Feiticeiro, com texto e direção de Maria Clara Machado. Foi, com o Circo Voador, para o México, na missão cultural que levou mais de setenta artistas para a Copa de 86. Ainda em 1986, criou e dirigiu a peça Depois de Dois. Fez as músicas e a direção musical na montagem do Tablado da peça Macbeth, de Shakespeare, com direção de Ricardo Kosovski. Adaptou, dirigiu e atuou ma peça Médico à Força, de Molière.

Márcio Trigo

Em, 1989, foi chamado pelo amigo Charles Myara, para criar o programa de rádio Tá na Hora de Dormir, onde escreveu, adaptou e apresentou mais de cinquenta histórias infantis. Ainda no rádio, criou e apresentou o programa A Hora da Estrela, um programa de botafoguenses para botafoguenses. Em 1992, lançou seu primeiro livro A Verdadeira História dos Sapatinhos de Cristal, pela editora José Olympio. Em seguida, lançou os livros O Pequeno Alquimista, considerado Altamente Recomendável, pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (mais de 30.000 exemplares vendidos), Molecagens do Vovô, também considerado Altamente recomendável (mais de 50.000 exemplares vendidos), O Penúltimo Dragão Branco, O Pequeno Alquimista e o Elixir da Longa Vida, pela editora Ática, Dentes de Vampiro, pela editora José Olympio (mais de 50.000 exemplares vendidos), e Aninha e o Dragão, pela Thex Editora. Dirigiu e fez as músicas, na sua adaptação do livro O Pequeno Alquimista, em 1993 e Molecagens do Vovô, em 1998, tendo recebido o prêmio Coca-Cola de melhor produção. Adaptou e dirigiu a peça Rê Bordosa, o ocaso de uma doida, de Angeli, com Betty Erthal. Escreveu e dirigiu Os Amigos do Trânsito, peça institucional encomendada pela Cet-Rio, que levou a educação no trânsito para mais de 50 comunidades.

Márcio Trigo

Em 1992, entra para TV Globo, para dirigir o programa Casseta e Planeta Urgente, onde ficou por 8 anos. Também em 1993, dirigiu Os Trapalhões, com Renato Aragão, Dedé Santana e Mussum. Em 2000, chamado por Ricardo Waddington, foi para a programação infantil, onde, com Roberto Talma, foi diretor geral da TV GLOBINHO, de Bambuluá, do Angel Mix e do Sítio do Picapau Amarelo (produto mais vendido pela Globo Marcas). Em 2003, adaptou, com Claudio Lobato, e dirigiu a minissérie A Terra dos Meninos Pelados, de Graciliano Ramos. No ano de 2004, fez a direção geral do quadro do Fantástico Cartão de Visitas, onde Chico Anysio apresentou 40 dos seus mais de 100 personagens. Ainda 2004, adaptou e dirigiu seu livro, na minissérie O Pequeno Alquimista, também lançado em DVD. Fez o programa Linha Direta e Linha Direta Justiça, onde entre outros casos, apresentou Febrônio, o primeiro serial killer brasileiro, A Chacina da Candelária, A Bomba do Riocentro e O Roubo da Taça Jules Rimet. Paralelamente, no teatro, fez as músicas e a direção musical das peças Leonce e Lena, de Georg Buchner e Os Coveiros, de Bosco Brasil, ambas com direção de Ricardo Kosovski, e O Alfaiate do Rei, última peça escrita por Maria Clara Machado, com direção de Cacá Mourthé. Dirigiu a peça Maria Minhoca, de Maria Clara Machado, que ficou mais de um ano em cartaz. Na TV Globo, ecreveu e dirigiu a minissérie Clara e o Chuveiro do Tempo, semifinalista do Emmy Awards.

Márcio Trigo

Em 2006, entrou no programa Domingão do Faustão, por onde ficou durante cinco anos, como diretor de criação. Lá, criou e adaptou diversos formatos, entre eles Dança dos Famosos, Dança no Gelo, Circo do Faustão, Quem Chega lá, Os Imitadores, Cachorrada Vip, Maratoma, Os Inventores, Os Encolhidos, Sufoco.
Dirigiu o DVD Lendas Brasileiras, produzido por Líber Gadelha, história com bonecos cantando músicas inéditas de Cássia Eller, Zé Ramalho, Luiz Melodia, Toquinho, Frejat, entre outros.
Na literatura, abriu a Mirabolante Editora, onde lançou seus livros Bel e Bia, Médico à Força, A História de Cada Um, além da coleção Dez Contos.
No Cinema, ganhou o prêmio Curta Criança, da Ancine, com o curta A História de Cada Um, adaptação do livro.
Dirigiu os shows Pacote Completo e Do outro Lado da Lua, de Patrícia Mellodi.
Do especial de Natal O Relógio da Aventura foi o criador e Diretor Geral em 2010.
Foi Co-criador e diretor geral do programa Os Caras de Pau, que ficou no ar durante três anos e ganhou o Prêmio Extra de melhor programa humorístico e o prêmio especial do Montreux Comedy Awards, em 2011, na Suíça.
No Teatro, dirigiu a peça A Viagem Fantástica, de Regiana Antonini e Bula na Cumbuca, A História Acelerada do Samba Cadenciado, de Celso Taddei.
Em 2014, dirigiu as peças Neurótica, com Flávia Reis, Bodas pelo Avesso, de Ecila Pedroso, e o show Anjo Torto, Patricia Mellodi canta Torquato Neto.
Como ator, fez uma participação especial no filme Vestido Para Casar.
Dirigiu duas temporadas o programa Amor & Sexo (2015/2016), além de dirigir o programa A Grande Farsa no Canal Multishow.
Criou a Casa de Histórias, que ministra cursos de roteiro desde 2012.
Roteirizou e dirigiu o clipe Too Many Emotions que recebeu o prêmio de Melhor Videoclipe no Rio Web Fest 2015.
Dirigiu ainda em 2016 junto com Henrique Tavares a peça Apesar de Você de Celso Taddei e Gabriela Amaral.
Já em 2017, dirigiu a terceira temporada de Multi Tom no Multishow, voltou ao cartaz com a peça Neurótica, no teatro NorteShopping e está em fase de pré produção do filme Nada é Por Acaso, de Zibia Gaspareto, onde dirigirá.